quarta-feira, 30 de dezembro de 2009

Promessas de ANO NOVO


Todo mundo faz sua listinha daquilo que quer para o próximo ano, acho que é válido deixar escrito alguns dos nossos anseios (só alguns, outros são surpresas).



Que consigamos...



  • ... agitar culturalmente esta cidade durante todo o ano de 2010,


  • ... levar o VOO para outras terras (por mim já podemos começar por Penedo mesmo),


  • ... montar A COR DA CHUVA com a mesma delicadez e sensibilidade que dedicamos ao VOO durante todo 2009,


  • ... interagir entre os grupos, trocando experiência, conversando, intercambiando,


  • ... cuidar do nosso patrimônio histórico/cultural e sejamos capaz de transmitir aos que virão aquilo que nós aprendemos,


  • ... agregar parceiros, amigos, companheiros, colegas, colaboradores e amantes do teatro


  • ... e, por fim, mas não menos importante, que as coisas aconteçam da melhor maneira para todos nós!


UM MEGA FELIZ ANO NOVO PARA TODOS NÓS ! ! !

terça-feira, 22 de dezembro de 2009

Chá das Sete (ou quase isso)!


Parecia assalto pra festinha de confraternização de Colégio - não no sentido pejorativo - longe disso, afinal, em critérios de organização a Cia do Chapéu e Joana Gajuru estão de parabéns - mas no sentido de descontração e leveza. Fazia tempo que não estava cercada de tantos colegas e amigos tão queridos. E foi nesse clima leve e ameno que realizou-se o 3º Chá da Tarde, ontem (dia 21/12/2009) no Museu Téo Brandão.
Independente de linguagem, estilo ou metodologia de trabalho, estávamos lá, conversando, debatendo e comungando com/sobre teatro. Não querendo parecer piegas nem clichê, o espírito natalino já nos sugeria a confraternização, e a partilha do pão e do vinho (não o cristão, mas o dionisíaco) estava presente, pungente e pulsante, seja em círculo ou ao redor de uma mesa bem servida (acho que só faltou mesmo um ditirambo).
O Chá da Tarde 2009 mostrou o que alcançamos com o teatro em 2009, nossa capacidade de articulação e escuta, nossa busca pela colaboração/cooperação em projetos individuais, e nossa abertura e humildade em trilharmos um caminho que nos leva para o intercâmbio.
De fato me senti comemorando, compartilhando, principalmente quando lembro que há alguns anos isso seria impraticável. Estávamos todos presentes desta vez, não como grupos de teatro, mas como artistas, agitadores culturais, produtores e tudo mais, não estávamos "representando" esse ou aquele, estávamos sendo nós mesmos dentro desse contexto histórico.
Fico feliz por ter participado de um momento tão peculiar quanto especial, espero que seja o primeiro de vários.
Fica aí meu pedido de Natal e desejo de Ano Novo:
muita merda para todos nós em 2010!!!
Daniela Beny

quinta-feira, 17 de dezembro de 2009

Boas novas, novas e boas

Duas boas notícias no final deste ano vitorioso.
A primeira boa notícia, tanto eu (Daniela Beny), quanto Mary Vaz fomos selecionadas para participar do projeto do PIBIC desenvolvido dentro da UFAL através do NACE (Núcleo Transdisciplinar de Pesquisa em Artes Cênicas e Espetaculares), os ensaios, pesquisas e estudos se desenvolverão no primeiro semestre de 2010.
A segunda boa notícia, hoje (dia 17/12/2009) o jornal Gazeta de Alagoas publicou um panorama do teatro alagoano em 2009, escrito por Lael Correa, eis um trechinho do que foi impresso:

http://gazetaweb.globo.com/v2/gazetadealagoas/texto_completo.php?cod=157570&ass=8&data=2009-12-17

Pois é, reconhecimento de um ano de árduo trabalho!

Que venha 2010, muitos projetos pela frente!!!

quarta-feira, 9 de dezembro de 2009

Seleção de elenco para espetáculo

Dando uma força pra nossa amiga e colaboradora Priscila Vasconcelos,

eis o flyer de seleção para montagem do espetáculo do seu processo de pesquisa:



Senhora Carrar no escuro

Não podia deixar de postar algo inusitado que aconteceu hoje, o módulo III do Formação do Ator da UFAL (do qual estou no elenco por causa de uma substituição) fez a última apresentação desse ano do espetáculo Os Fuzis da Senhora Carrar.
Até aí tudo bem, não fosse o fato de nos últimos quinze minutos ter faltado energia em metade do Centro da cidade, graças à platéia que nos iluminou com seus celulares e lanternas, conseguimos levar o espetáculo até o final com muita garra, muita força...
Não seria muito dizer que o final do espetáculo de hoje teve um gosto especial, foi mais emocionante (pelo menos pra mim), fico feliz pelo elenco, estamos na mesma vibração (pelo menos a grande maioria), se não estivessemos jogando a peteca teria caido assim como a energia.
Estamos de parabéns, se fosse outro elenco teria parado o espetáculo antes do final.

sexta-feira, 4 de dezembro de 2009

Aguarde...

em breve: A COR DA CHUVA


"...Nós somos quase fantasmas que sofrem de amnésia, nada vai nos parecer familiar. Nossa missão aqui é uma só, envelhecer aguardando a morte relendo velhas notícias todas as noites, ou todos os dias, porque eu vejo a luz do sol nem as estrelas, sem ar fresco, só com a umidade... eu me sinto tão bolorento quanto essas folhas de papel molhadas..."

domingo, 29 de novembro de 2009

VOO AO SOLO - última apresentação de 2009

Me sinto quase fazendo uma retrospectiva dos nossos avanços em 2009, mas de fato posso dizer que este espetáculo evoluiu bastante ao longo de oito meses, evoluiu em relação a tudo, à iluminação, trabalho de pesquisa quanto atriz e outros pontos, como na convergência de uma equipe de trabalho interessada em CRIAR (afinal o teatro é feito disso).
Infelizmente tem algo que dificilmente evolue em Maceió, o interesse do público em outra coisa que não seja comédia besteirol ou artistas globais, vai ser um longo caminho até superarmos essa limitação das mentes provincianas que ainda compõe grande parte da nossa sociedade, mas crei que mudaremos isso em algum momento, o importante é não desistir.
Essa temporada de dois finais de semana no Teatro Jofre Soares (SESC Centro), serviu para vários fins, inclusive para novas fotografias (feitas por Izaac Alencar, que podem ser vistas no site: http://c44zi.webng.com/VooAoSolo/VooAoSolo.html), uma filmagem de qualidade do espetáculo e ousados experimentos de luz feitos por Arnaldo Ferju.
Encerramos aqui uma etapa desse processo, daqui pra frente eu não sei de muita coisa, queria conseguir alçar voos com o VOO. De todas as dez apresentações que fizemos com o VOO este ano, talvez a melhor tenha sido esta última do dia 28 de Novembro, é uma pena que apenas dez pessoas (contando comigo e com os técnicos) puderam vivenciar esta experiência.
AGORA É DAQUI PRA FRENTE!
AGRADECIMENTOS:
Marco Antonio de Campos, Marluce Costa, Arnaldo Ferju, Erick Baker, Priscila Vasconcelos, Maytta Teles, Mary Vaz, Carmen Freire, Thiago Sampaio (e extensivo ao SESC), Felipe Botelho e Kleber Lourenço (pela "consultoria" e apoio durante o processo do GESTO), Alexandre Holanda, Sapinho (técnico do Arena), Cícero e Milton (técnicos do SESC), Izaac Alencar (pelas fotos maravilhosas dessa versão atual do espetáculo), Henrique Olveira (da Panan Filmes), à ASCOM/SECULT, ao CENARTE e à todas as pessoas que assistiram, colaboraram, opinaram, reclamaram ou até mesmo quiseram atrapalhar um pouco.
Este é o primeiro espetáculo da INVISÍVEL COMPANHIA DE TEATRO, e só foi possível pela mobilização de todos!

quarta-feira, 18 de novembro de 2009


Tudo ao mesmo tempo agora

Acho que nós, pessoas de teatro, só estamos de fato satisfeitos quando temos muita coisa pra fazer, se for isso não tenho do que me queixar, nos últimos dois meses trabalho (que não significa necessariamente retorno financeiro) é o que não falta.
Após dez dias de trabalho na IV Bienal Internacional do Livro de Alagoas, retornei às minhas ocupações principais, eis que nas próximas semanas estará em cena o fruto daquilo que vem se cultivando com tanto carinho.
Primeiro vem o VOO, meu filhote e em seguida a estreia de Os fuzis da Senhora Carrar, montagem do módulo III do curso de formação do ator, dirigido por Glauber Teixeira (que com sua generosidade além de abrir espaço para que eu cumprisse meu estágio ainda me possibilitou experimentar com seus alunos/atores métodos de direção).
É isso, 2008 foi muito bom, 2009 deu sequência e extrapalou minhas expectativas, 2010 promete e eu acho que vai cumprir! =D
SERVIÇO:
TEMPORADA DO ESPETÁCULO VOO AO SOLO
Local: Teatro Jofre Soares (SESC Centro)
Data: 20, 21, 27 e 28 de Novembro (Sextas e sábados)
Horário: 19H30
Ingressos: R$ 2,00 + 1kg de alimento não-perecível ou R$ 4,00
INFORMAÇÕES: 8803-5128
TEMPORADA DO ESPETÁCULO OS FUZIS DA SENHORA CARRAR
Local: Sala Preta (Espaço Cultural da Praça Sinimbu)
Data: 25/11 (para convidados), 01, 02 e 09/12.
Horário: 19H30
ENTRADA FRANCA

segunda-feira, 9 de novembro de 2009

Estivemos fora do ar por alguns instantes

Por causa da IV Bienal Internacional do Livro de Alagoas, estivemos um bom tempo fora do ar, espero conseguir retomar as postagens durante as próximas semanas!

segunda-feira, 19 de outubro de 2009

Dramaturgia Maceioense do Século XX

Ainda não tenho muito material sobre a pesquisa que estou desenvolvendo com a orientação do professor Otávio Cabral, mas considero muito importante já ir compartilhando alguns pensamentos sobre o assunto... essa é a primeira postagem...
Pensemos no dramaturgo como um cronista de seu tempo, mesmo que ele busque a atemporalidade suas palavras revelam mais que o texto, trazem impressas em si uma gama de significados e informações sutis, que revelam principalmente sobre quem as escreveu. (...)

Um dos principais desafios desta pesquisa está sendo encontrar registros das montagens realizadas entre 1980 – 2000, embora tenhamos encontrado plena colaboração da DITEAL (Diretoria dos Teatros do Estado de Alagoas), seus arquivos só possuem pautas a partir de 2001. Segundo consta, todos os arquivos anteriores a esta data foram perdidos devido ao armazenamento inadequado de documentos em salas do Papódromo, um lugar completamente impróprio para a conservação de qualquer tipo de acervo, pois, após uma enchente da Lagoa Mundaú todos os arquivos foram destruídos, acabando assim com parte dos registros mais preciosos da cultura alagoana e com a História do nosso centenário teatro. (...)

Embora contemos com um grande número de atrizes que atravessam gerações, é interessante observarmos que são poucas as mulheres que se dedicam à construção dramatúrgica, porém no início do século XXI alguns nomes começam a despontar para esta vertente criadora do teatro.

quarta-feira, 30 de setembro de 2009

Ninho de Minhoca

Hoje demos continuidade ao nosso trabalho de treinamento corpóreo para ator-bailarino, estamos conseguindo agregar não apenas pessoas, mas também conhecimentos.
De um exercício de conscientização corporal através do improviso surgiu uma semente de uma possível cena de clown estruturada pela criação de partitura corporal. Considero muito importante essa série de experimentos aplicados por Mary Vaz, porque esta é uma forma de conscilar a informação teórica com a sensação prática dos exercícios e, finalmente, conseguir transferir para os processos artísticos mais específicos o que foi experienciado.
Fomos divididos em duas duplas para construção de partitura em conjunto, de uma dupla nasceu o que podemos denominar como o despertar de clowns, da outra uma composição assemelhando-se a um ninho de minhoca (no final das contas todos somos um pouco minhoca mesmo).
Essas duas partituras podem futuramente compor algo muito maior, um espetáculo até.
A princípio ficou definido para a próxima Quarta-feira o experimento de A FILA, na Rua do Comércio, defronte as Lojas Emmanuele, vamos formar uma fila no nada, esperando por coisa aguma, concentração no CENARTE às 9H.
Compareçam, chamem amigos, conhecidos, vamos para rua, nem que seja só para esperar.

terça-feira, 29 de setembro de 2009

TREINAMENTO CORPORAL

Mais para constar, nosso treinamento corporal, até o final de Outubro, vai ser realizado todas as quartas-feiras, apartir das 9H no CENARTE.

quarta-feira, 23 de setembro de 2009

Retomada do treinamento corporal

Eis que retomamos nosso treinamento corporal para atores/bailarinos essa quarta-feira, digamos que agora estamos tomando novas perspectivas de futuro, agregando novos participantes e idealizando ações que não serão apenas platônicas, mas sim práticas, concretas, palpáveis.
Acredito que estamos iniciando uma nova etapa de nosso trabalho, novas informações futuramente no nosso blog.

domingo, 20 de setembro de 2009

O Abraço ao Teatro Deodoro

Infelizmente não pude estar presente ao ato de abraço ao Teatro Deodoro porque estava dando entrevista sobre o VOO (em breve postagem do vídeo do Programa Cotidiano), mas soube que foi emocionante, segue abaixo algumas fotos.








É importante a gente lembrar que este ato não foi meramente uma manifestação artística da classe, mas na ocasião foi entregue no gabinete do Governador um abaixo assinado solicitando a reabertura do Teatro Deodoro.

EXPOSIÇÃO OP ART


quarta-feira, 16 de setembro de 2009

VOO AO SOLO - Como foi no Quartas do Arena!

Amigos, amigas, visitantes...

Tenho que compartilhar com vocês o quanto foi gratificante essas duas apresentações no palco do Teatro de Arena, juro que imaginei que teríamos o problema com a montagem e execução de luz, mas devo dizer que me enganei redondamente...

Fiquei muito feliz com o resultado que conseguimos obter no Teatro de Arena, uma luz maravilhosa criada e executada brilhantemente por Arnaldo Ferju. Com o apoio logistico-cenográfico-cenotécnico-treinamento de Mary Vaz que só vem a acrescentar ao conjunto da obra e agora a paciência e calma de Maytta Teles ao executar a sonoplastia.
É isso o que eu tenho a dizer OBRIGADA À TODOS!!!!

sábado, 12 de setembro de 2009

dia 15 de Setembro - dia do abraço - ao TEATRO DEODORO



DIA DO ABRAÇO AO TEATRO DEODORO

Cem ANOS de Teatro Sem Teatro?


No próximo dia 15 de setembro (véspera de feriado) acontecerá o Dia do Abraço ao Teatro Deodoro, uma iniciativa do Movimento Sou Artista, LUTO!? - um grupo bem engajado de artistas que se reúne, constantemente, para discutir estratégias e melhorias pro ‘fazer artístico alagoano’. Atualmente, o debate gira em torno da reabertura do teatro Deodoro. O movimento estuda ainda soluções de acessibilidade ao local, desvio de linhas de ônibus e medidas contra violência na região. No protesto do dia 15 de setembro, o grupo quer chamar a atenção para o Teatro fechado, culminando com um abraço coletivo ao redor do Deodoro e a entrega de um documento ao governador, Teotônio Vilela Filho, exigindo uma data para reabertura. Representantes de todas as linguagens artísticas participarão do Ato, assim como todo cidadão alagoano que queira abraçar um dos maiores patrimônios arquitetônicos do Estado de Alagoas.

Programação:
  • 10:00h - Leitura do Manifesto Sou Artista, LUTO!?

  • 10:30h - Apresentações Artísticas


  1. Coletivo Afro Caeté (cortejo)
  2. Roberta Aureliano (Hino de Alagoas)
  3. Rugas de Ouro (grupo de dança da terceira idade)
  4. Urukongo por Denis Angola (Solo de Dança Contemporânea)
  5. Ancestral por Khalazome – (Centro de Estudos e Pesquisas Afro Alagoano Quilombo - CEPAA)
  6. Parada na Pista – Mary Vaz (performance)
  7. Tempo – Carapuça Cia. Teatral (performance)
  8. Regadores - +idéias (performance)
  9. Teatro do Oprimido - Grupo Revolucionarte
  10. Intervenções cênicas espontâneas (artistas presentes no Ato)


  • 12:30h Abraço ao Teatro Deodoro

  • 13:00h - Cortejo ao Palácio República dos Palmares

  • 14:00h - Entrega de Documento ao Governador Teotônio Vilela Filho ·

Serviço:


  • Dia do Abraço ao Teatro Deodoro

  • 15 de Setembro às 10:00h (concentração) - Em frente ao Teatro

Sou Artista, LUTO!? È um Movimento que visa integrar as diversas linguagens das artes em pró dos Artistas Alagoanos. Sou Artista, LUTO!? É um grito de alerta aos que aliviados com nosso silêncio - quase eterno - saibam que resolvemos SAIR DA INÉRCIA e organizadamente criar ações a favor da nossa cultura. A primeira ação será um Ato de Amor e Respeito a uma das casas de espetáculos mais importantes de Alagoas – O Teatro Deodoro. Para demonstrar este amor, de forma artística e de sublime sensibilidade, iremos abraçar o Teatro Deodoro: “Deodoro eu Te Adoro!” No dia 15 de setembro - um mês antes dos seus 99 anos, as 10:00h. Em frente ao Teatro haverá uma concentração da sociedade em geral juntamente com artistas de todas as linguagens para unir forças a este Ato. Vestidos de figurino e/ou traje comum acrescido de uma faixa preta no braço. Iremos demonstrar nossa insatisfação com a falta de respostas e compromisso com esse Monumento Histórico de nosso Estado.


Material enviado por David Farias (Cia Carapuça de Teatro) - contato: 8803-1535/9950-8765

Algumas notícias do VOO na internet

Estou um pouco sem tempo, mas fiz um pequeno mapeamento do que saiu na internet sobre as apresentações do VOO AO SOLO no Projeto Quartas no Arena, aqui estão alguns links de sites

Pois é... por enquanto é isso... mais novidades em breve!

sábado, 5 de setembro de 2009

Quartas no Arena


Sem muitos comentários por equanto, mas posso assegurar que grandes acontecimentos virão em breve, mesmo que não sejam tão grandes assim!

sábado, 29 de agosto de 2009

Saiu no RODAPÉ

Chegamos ao final de mais uma ALDEIA, muita coisa foi falada, vários temas discutidos, mas vou postar aqui trecho de uma matéria feita por Jacqueline Pinto, publicada no jornal RODAPÉ que circula durante a realização do ALDEIA.


"UMA VIAGEM NO MUNDO DE VIVÊNCIAS SEM TIRAR OS PÉS DO CHÃO

Um compartilhar de sentimentos e emoções foi apresentado durante a apresentação do espetáculo VOO AO SOLO, da Invisível Companhia de Teatro. O monólogo encenado pela atriz Daniela Beny retratou muito do seu mundo particular, que foi misturado à trechos de obras de Guimarães Rosa e Lygia Fagundes Teles. É um trabalho de experimentação artística em que a atriz mostrou todo seu potencial dramático além de se mostrar abertapara novas descobertas cênicas.

A ideia da montagem desse espetáculo surgiu quando a atriz voltou da viagem que fez a São Paulo onde integrou o elenco de OS POSSESSOS, sob direção de Antonio Abujamra. A necessidade de ampliar sua potencialidade artística falou mais alto e a fez montar o texto que revela o mundo da atriz como um trabalho autobiográfico, misturando cenas de vários momentos como um flashback. O texto foi revisado e adaptado sob direção de Marco Antonio de Campos, que tentou não interferir no processo de criação da atriz, fazendo pequenas adaptações nas propostas apresentadas..."


Por Jaqueline Pinto (RODAPÉ / jornal publicado durante o ALDEIA SESC 2009 - Terça-feira, 25 de Agosto de 2009 - Ano 2 - nº 05)

terça-feira, 18 de agosto de 2009

E-flyers dos nossos colaboradores

Parece que esse ano temos uma verdadeira avalanche de solos/monólgos.

Monólogo de DANIELA BENY
Espetáculo de nossa colaboradora MARY VAZ
"A performance instantaneo integral, surgiu de uma necessidade de intregar-se em cena, de uma forma íntegra e instantânea com base nas posturas, experiências e estilo de vida, referências, próprias da atriz (performer) Mary Vaz"

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

ALDEIA SESC GUERREIROS DE ALAGOAS 2009


Teatro, música, dança, artes plásticas, cinema e literatura terão seu espaço na quarta edição da mostra Aldeia Sesc Guerreiro das Alagoas, que acontece de 21 a 30 de agosto, nas unidades do Sesc em Maceió e em diferentes locais da cidade. O projeto Aldeia já se firmou como uma das mais importantes ações de formação artística e de plateia em Alagoas.

A mostra Aldeia Sesc Guerreiro das Alagoas incentiva a produção cênica local, revelando os talentos profissionais e amadores do estado, além da participação de grupos interestaduais, através de um processo de seleção democrático aberto à participação de todos. Este ano, os grupos teatrais selecionados são Cia. Reka, Cia. Nega Fulô, Cia. Mestres da Graça, Associação Teatral Joana Gajuru, Cia. de Teatro, Cia. Raízes da Terra, Cia. Teatro da Meia-noite e Cia. Cultuarte, Cia. Invisível de Teatro e a atriz Mary Vaz.

Segue abaixo a programação dos espetáculos, para maiores informações sobre
oficinas, workshops e programações paralelas acessem: http://www.sescalagoas.com.br/imprensa/noticias/index.asp?vCod=102&idioma=pt
ESPETÁCULOS
21/08 (Sexta-feira) - Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

O Diário de um louco (Cia. de Teatro Lavoura / PB) - R$4,00 ou R$2,00 + 1kg de
alimento não perecível

22/08 (Sábado) - Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

Solampião (Associação Teatral Nêga Fulô) - R$4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento
não perecível

24/08 (Segunda-Feira) - Praça Dois Leões (Jaraguá) 16H

Vida imunda, cai de bunda (Cia Raízes da Terra) - GRÁTIS

Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

VOO AO SOLO (Invisível Cia de Teatro) - R$4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível

25/08 (Terça-Feira)- Praça Dois Leões (Jaraguá) 16H

Baldroca (Associação Teatral Joana Gajuru)- GRÁTIS

Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 15H

O Avarento (Grupo de teatro do TSI) - GRÁTIS

Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19h30

Terapia de Grupo (Cia. REKA de Teatro) - R$4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível


26/08 (Quarta-Feira) Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 16H

INSTANTÂNEO INTEGRAL (Mary Vaz) - R$ 4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível

Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

Insônia (Cia Teatro da Meia-Noite) - R$ 4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível

27/08 (Quinta-feira) Espaço Cultural (Praça Sinibu) 16H

Enamorados - A demanda do amor (Coletivo Enamorados de Teatro / PE)- R$ 4,00
ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível

Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

Negro de estimação (Kleber Lourenço - PE)- R$ 4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível


28/08 (Sexta-Feira) Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

Metafaces (Cia Culturarte) - R$ 4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível

29/08 (Sábado) Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 20H

Jandira (Kleber Lourenço - PE)- R$ 4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não
perecível


VIRADA DO DIA 29 PARA DIA 30 OVERDOZE

(Doze horas seguidas de programação dentro do SESC Centro)

domingo, 9 de agosto de 2009

Oficina de Dramaturgia do Cotidiano

Promovida pela FUNARTE SP, aconteceu entre os dias 03 e 08 de Agosto a oficina de DRAMATURGIA DO COTIDIANO ministrada pelo dramaturgo, crítico teatral e professor da Balleteatro Escola Profissional e na Escola Superior Artística do Porto, em Portugal, Jorge Louraço.
Nesta uma semana de trabalho me senti duplamente gratificada, primeiro por ter reencontrado com alguns colegas da montagem de OS POSSESSOS, e porque fiquei em contato direto com uma estruturação metodológica do que normalmente desenvolvo apenas por motivações intuitivas.
Com essas dicas e "regras" propostas por Jorge acredito que exista de forma mais viável a possibilidade de tornar-me multiplicadora, uma vez que a universidade não coloca a criação de textos dramatúrgicos como um dos focos de ensino e capacitação.
Dentro de nosso COLETIVO, estaremos em breve oferecendo uma vivência dramatúrgica voltada para agregar elementos ao treinamento corporal desenvolvido todas as quartas-feiras pela atriz Mary Vaz.
Abaixo segue uma pequena mostra do que desenvolvi durante estes dias de trabalho.

Tá demorando né?!

Tá demorando né!?
Texto de Daniela Beny
(exercício feito para oficina de Dramturgia do Cotidiano - FUNARTE SP)


Duas poltronas de ônibus de viagem, Amanda e Beatriz sentadas lado a lado, é noite, falam baixo quase cochichando

AMANDA: - Tá demorando né!? Não vejo a hora de chegar em casa, detesto mato, inseto, carrapato, nem sei como você me convenceu a acampar no meio do nada, sem água encanada, chuveiro elétrico, você sabe que eu odeio tomar banho de água fria...
BEATRIZ: - Ué, você não estava sempre reclamando que depois que comecei com o Felipe e você com o Pedro, a gente nunca mais viajou juntas...
AMANDA: - Verdade. Mas precisava ser para um lugar desses?
BEATRIZ: - Amiga é pra essas coisas, eu ira com você até o inferno se fosse preciso...
AMANDA: - Mas aquilo ali ERA o inferno!
BEATRIZ: - Eu achei tudo lindo, a cachoeira, as flores, o luar... um luar daqueles a gente não vê na cidade...
AMANDA: - Eu me senti uma pateta brigando pra montar a barraca, tendo que me virar no matinho mesmo... nunca mais outra dessas... nunca mais!
(Amanda e Beatriz dão pulinhos nas poltronas, como se o ônibus estivesse passando numa estrada esburacada)
AMANDA:
- Tá vendo, até a estrada de volta pra cidade é ruim, me sinto no tobogã dentro do ônibus... Quero minha cama, meu banheiro. Não teve nada de bom nessa viagem...
BEATRIZ: - Claro que teve Amanda... ficamos mais... próximas... (ônibus chacoalha de novo, Amanda quase cai sobre Beatriz, ficam com o rosto muito próximo uma da outra, tensão)
AMANDA: - (Amanda e Beatriz se olham - pausa)
Você tem razão... ficamos mais próximas mesmo... (Amanda ri nervosa, Beatriz se afasta um pouco) mas não muito próximas... (Amanda ainda nervosa tentando desconversar) Nossa, tá demorando né?! Que estrada longa...
BEATRIZ: - Pois é... (Beatriz mexe nos cabelos de Amanda, depois segura sua mão) ... tá demorando... (Se aproximando de Amanda)
AMANDA:
- Eu, (meio confusa) eu, eu acho que... que eu... (Beatriz se aproxima mais ainda de Amanda)
BEATRIZ:
- Você acha que... (bem perto de Amanda)
AMANDA:
-... eu acho... eu tenho... eu tô... (Amanda beija Beatriz) ... apaixonada por você... pronto... falei... (Amanda se afasta) Mas isso não faz muito sentido... (Beatriz beija Amanda)
BEATRIZ: - (soltando Amanda)
Que bosta, minha avó fez aniversário ontem e eu nem liguei, nem comprei uma lembrancinha pra ela...
AMANDA: - Relaxa, quando você chegar em casa telefona pra ela.
BEATRIZ: - (manhosa abraçada com Amanda) Nossa, tá demorando mesmo né?!
AMANDA: - (nervosa se soltando de Beatriz) Tenho que desligar o celular.
BEATRIZ: - Por que?
AMANDA: - O Pedro vai ligar...
BEATRIZ: - E daí?
AMANDA: - Não sei você, mas eu não tô muito a vontade com essa situação...
BEATRIZ: - Bobagem a sua... (abraçando Amanda) tá vendo que ele...
(toca um celular, Amanda tira o celular do bolso da calça)
AMANDA: - Eu disse (mostrando pra Beatriz) ... é o Pedro... (Amanda se apressa e desliga o telefone)
BEATRIZ:
- Ué, por que você não atendeu??
(Barulho de ônibus parando, chegam à rodoviária)
AMANDA: - (Chateada, se arrumando pra descer do ônibus)
Se você prefere que eu atenda, já me considero em casa. Essa “viagem” acaba aqui!
BEATRIZ: - (segurando Amanda) Por mim não! (Se beijam)
AMANDA: - (rindo meio sem graça) Tava demorando né!?
FIM

segunda-feira, 20 de julho de 2009

leitura DE BRAÇOS ABERTOS


Na última sexta-feira (também conhecida como dia 17/07), realizamos a leitura do texto DE BRAÇOS ABERTOS de Maria Adelaide Amaral, dentro da programação do projeto Leituras Dramatizadas, do SESC Centro. Foi uma ótima experiência, essa foi a segunda vez que dirigi uma leitura, mas foi a PRIMEIRA que eu de fato dirigi, e tive a sorte de estar com um elenco generoso, um elenco disposto a jogar.

Minha única queixa vai para o público - fomos trocados pelo Lenine em Garanhuns - mas enfim, do mais valeu a pena, dois meses de ensaio, lendo, relendo, pensando, construindo, desconstruindo e, principalmente, entendendo qual a nossa função como atores ou diretores.

Agradeço aos atores: Carolina Sophia, Fabiano Alves, Mary Vaz, Maytta Teles e Vanessa Malta. E à Priscila Vasconcelos pelas fotos. Espero que possamos novamente trabalhar juntos, ou pelo menos, trocarmos ideia, experiência ou impressões.





sábado, 18 de julho de 2009

Começando o COLETIVO

Começamos no dia 15/07 na Sala Preta do Espaço Cultural (Praça Sinimbu) a primeira ação do que pode vir a ser nosso Coletivo de teatro em Alagoas. Mary Vaz deu continuidade à oficina de treinamento do ator começada por Kleber Lourenço, digo, como alguém que não tem tanto domínio de corpo, que essa ação virá acrescentar e muito, principalmente porque se torna um complemento do nosso próprio trabalho de ator e complementa a formação oferecida pela Universidade.

Ainda não sabemos quais serão as próximas etapas, mas como dizem os chineses: "Uma longa jornada começa pelo primeiro passo...", vamos seguindo assim, fazendo teatro, difundindo ideias, e principalmente, agregando conhecimento.
Nossos próximos encontros serão dia 22/07 às 09H e 29/07 às 14H, ambos encontros no SESC Centro. Como estamos buscando outras parceiras para termos um local de trabalho fixo infelizmente teremos que migrar de um lugar para o outro de acordo com a disponibilidade dos espaços, mas de qualquer forma fica marcado o treinamento de corpo para o ator toda Quarta-feira.

quinta-feira, 9 de julho de 2009

um GESTO coletivo

Eis finalmente relatos sobre o nosso trabalho dentro do GESTO promovido (pelo grande parceiro da classe artística) SESC/AL. Fomos selecionados para o projeto para buscar sanar as dificuldades em relação ao treinamento corporal do ator. Pois bem, nosso primeiro encontro foi com Felipe Botelho que desempenha a função de acessor pedagógico - ou seja - acompanha os problemas e como estamos trabalhando para sana-los. Digo que esse bate-papo com Felipe foi de uma troca surpreendente, não só pra mim como atriz, mas também para repensar a função do dramaturgo e do contador de histórias dentro do processo criativo e como isso se reflete no teatro.

A segunda etapa desse projeto foi a oficina de voltada para O CORPO CÊNICO PARA O ATOR/BAILARINO ministrada por Kleber Lourenço, visto que a dificuldade apontada foi trabalho de corpo. Nossa... nesses quatro dias de oficina podemos perceber que o problema da preparação corporal é - infelizmente - muito comum entre os atores mais voltados para um teatro de palavra.
Vindos de Recife, tanto Felipe quanto Kleber trabalham em coletivos de teatro que visam agregar conhecimentos, difundir linguagens e potencializar o trabalho de nossos colegas de teatro. Então dessa oficina de corpo, levamos algo muito além da reflexão sobre a preparação corporea do ator, levamos também a iquietação de querer dar continuidade não só ao treinamento, na verdade, surgiu o embrião da COLETIVIDADE, da TROCA, e - como sempre digo em meus brindes - as POSSIBILIDADES.

Seguiremos assim, interagindo entre os grupos, possivelmente em brave teremos nosso próprio coletivo, ou pelo menos a conscientização de que temos que nos portar como classe artística mas também como PROFISSIONAIS.

Sim, começamos hoje, dia 09 de Julho de 2009 um GESTO COLETIVO.

domingo, 21 de junho de 2009

sábado, 13 de junho de 2009

quarta-feira, 10 de junho de 2009

Me apontem a direção

Me peguei pensando numa coisa, na verdade me peguei questionando sobre a função do diretor. Vejo meu amigo-diretor Marco Antonio de Campos como um grande parceiro de impreitadas nem sempre muito bem sucedidas, mas sempre importantes para meu amadurecimento como atriz, porque vejo nele um guia, um orientador do que pode ser feito no palco, do que pode ser usado como subsidio das construções de personagem... enfim, vejo uma cumplicidade, percebo isso, coisa que sei que nem sempre acontece nos elencos, coisa que aconteceu inclusive comigo quando estava em São Paulo sob a direção de Antonio Abujamra (mas tudo bem, afinal ele é um dos monstros sagrados do teatro brasileiro).
Estou tendo a oportunidade de trabalhar com direção de ator, e duas direções por sinal tanto no fato de serem dois elencos como o fato de cada uma ter características muito diferente da outra. Para a leitura "DE BRAÇOS ABERTOS" conto com um elenco que em sua maioria já conheço, o texto também ajuda muito porque fala por si, e nesse caso mais específico, se torna menos difícil porque o que há no texto é parecido com o que vivi a pouco tempo - mas isso é assunto pra um blog pessoal, não profissional. Já para "CELESTE AÍDA" admito uma grande insegurança, primeiro por se tratar de uma remontagem, segundo porque se trata de uma encenação, o que faz com que tenhamos que ter um pensamento mais detalhado sobre tudo (admito que nessas horas eu me perco, afinal tô dirigindo ator, não cena).
O que eu concluo é que só a prática pode me levar àlgum lugar, do tipo: só se aprende a fazer fazendo... o que é uma verdade absoluta, os macacos conseguem aprender observando, eu nem sempre... - que comparação infame. Não fui dirigida por tanta gente assim, queria ter passado por mais diretores, mas a gente sempre leva um pouco deles quando se aventura a dirigir, na verdadem acho que eu estou mais coordenando do que dirigindo de fato, afinal, o ator têm o que oferecer ao diretor, e vice-versa. Mas é algo no qual quero me aventurar mais futuramente, por enquanto a experiência está sendo boa, os elencos ajudam bastante também.
De todo modo fica o mote: SE EU ESTIVER MEIO PERDIDA, POR FAVOR, ME APONTEM A DIREÇÃO!

terça-feira, 2 de junho de 2009

UNIVERSO FEMININO



Teoricamente esta imagem não deveria ter sido postada, mas estava pensando numa coisa nestes últimos dias. Já tem muito tempo, na verdade desde que comecei a trabalhar profissionalmente com teatro, que o universo feminino permeia toda e qualquer manifestação artística na minha vida. Pois bem, acho que por estarmos dentro de uma sociedade que acaba sendo matriarcal apesar dos machismos da cultura nordestina, então pensei que seria importante usar desde blog como um vetor mais abrangente de expressão. De todo modo, digamos que isso também pode vir fazer parte do teatro, ou como futura cenografia (não necessariamente esta gravura, mas outras parecidas, com traços semelhantes) ou apenas como exteriorização do que construimos internamente para criação de personagem. Enfim, é isso.

sábado, 25 de abril de 2009

POR QUE INVISÍVEL?


Acho que poucas semanas atrás tive a necessidade de dar um título ao trabalho que venho fazendo com teatro agora, pensei em vários nomes, em várias possibilidades instigantes e pensei no trocadilho INVISÍVEL COMPANHIA DE TEATRO. Digamos que seja uma espécie de bloco do eu sozinho, mas na verdade ser INVISÍVEL significa fluir sem ser percebido, exceto quando se queira, significa poder contar com seus parceiros/amigos que trabalham lado a lado fora do palco (ou na cabine ou na produção) e, futuramente, dividindo o espaço cênico.
Pra mim, Daniela Beny, ser INVISÍVEL é ser vista a partir do ponto de vista dos meus olhos (nossa, quanta redundância...), ter uma identidade artística e poder agregar outros artistas em projetos nunca antes tentados ou testados.

quarta-feira, 15 de abril de 2009

Direção de Arte


Um desafio e uma oportunidade para experimentar.
Quando fui convidado pela Daniela Beny, para fazer a direção de arte de seu monólogo, foi uma grande surpresa, pois mesmo trabalhando com teatro já há aproximadamente quatro anos, com fotografia há uns dez anos e agora, iniciando com o cinema, foi o primeiro trabalho como diretor de arte. E como já tive a oportunidade de conhecer o trabalho da Beny, não tive muita dificuldade para a realização deste trabalho.O desafio deste trabalho foi, com o pouco tempo, equipamentos, pensar e elaborar todos os detalhes de iluminação, coloração, marcações e outros detalhes para as apresentações, para isso, foi feito um misto de quase todas as minhas atividades atuais, fotografia, teatro e cinema para otimizar os trabalhos para a montagem deste monólogo.
Nos ensaios que tivemos, antes da estréia, foram feitas diversas fotografias e gravações de vídeos, para que com o auxílio destes, chegar ao resultado final que foi a estréia deste trabalho para o público. Para isso, foi montado praticamente um estúdio de produção digital na casa do diretor geral Marco Antonio de Campos, onde juntamos nossos computadores de idéias para, em pouquíssimo tempo, editar todos os recursos de mídia digital e elementos de efeito visual que foram utilizados nesse espetáculo, numa espécie de ensaio digital, fundindo o teatro a fotografia e o cinema em favor de uma só linguagem, o Teatro.
por Erick Baker

sexta-feira, 10 de abril de 2009

VOO AO SOLO




EM BUSCA DO SOLO (SINOPSE)
“Voo ao Solo” é resultado da busca de uma construção dramatúrgica voltada para a experimentação artística em outro ambiente teatral sendo composto por recortes que mistura interferências cotidianas e referências pessoais com elementos que compõe o imaginário mítico-urbano da contemporaneidade nordestina e do trajeto de vidas, criando assim uma ligação entre o que há de moderno já produzido no meio teatral e o que vivenciamos como reprodução de nossas tradições. Dentro deste processo de montagem pode-se considerar que há o desenvolvimento dramatúrgico conciliado com o trabalho de composição de personagens dentro de uma busca individual da pesquisa da atriz/dramaturga, agregando ao produto final (a montagem) uma experimentação científica quando percebemos que desenvolveu-se sobre o espetáculo uma proposta que busca atingir objetivos que se mostrem durante os experimentos encenados, fluindo desde a composição pós-dramática do texto até o referencial corpóreo em cena.
Com recortes das obras de Lygia Fagundes Teles, Guimarães Rosa e outros ícones da literatura e da cultura pop podemos entender quais as referências e como podem ser ponto de partida para a criação de um entrelaçado dramático que possibilita a visitação do ser humano à diferentes estágios e níveis comportamentais do ser humano partindo do ponto de vista do feminino mítico até a influencia do espaço urbano sobre a construção das relações interpessoais.

ENFIM O VOO (RELEASE)
“Me sentia uma estrangeira, me sentia na verdade uma exilada, não pelo lugar que habitava, mas pelo o que percebia estar habitando dentro de mim.”
Num onde indefinido e num quando indeterminado uma mulher faz um apanhado dos fatos mais importantes de sua vida começa a estabelecer consigo mesma uma relação caótica inclusive com seus demônios e fantasmas do passado, tudo aflora de modo impensado e imprevisível, não havendo assim uma definição nem especial, nem cronológica, viajando em seus pensamentos e metáforas que aproximam o espectador dos sentidos e sentimentos da personagem.
Imagens, sons, texturas, cheiros, tudo interligando movimento e palavra.
Voo ao solo é o primeiro espetáculo solo da dramaturga e atriz Daniela Beny (selecionada pela Funarte para integrar o CENTRO DE APERFEIÇOAMENTO TEATRAL 2008) que após temporada de estudos cênicos em São Paulo onde trabalhou sobre a direção de Antonio Abujamra trás para o palco um pouco de sua experimentação em outros solos fazendo assim um voo solo e “ao solo”.

2014 - um ano de muita pesquisa

Então, desde o final de 2014 o tempo tem sido cada vez mais escasso apenas pelo fator MESTRADO, tão raro que, ao vir atualizar o blog me de...