sábado, 29 de agosto de 2009

Saiu no RODAPÉ

Chegamos ao final de mais uma ALDEIA, muita coisa foi falada, vários temas discutidos, mas vou postar aqui trecho de uma matéria feita por Jacqueline Pinto, publicada no jornal RODAPÉ que circula durante a realização do ALDEIA.


"UMA VIAGEM NO MUNDO DE VIVÊNCIAS SEM TIRAR OS PÉS DO CHÃO

Um compartilhar de sentimentos e emoções foi apresentado durante a apresentação do espetáculo VOO AO SOLO, da Invisível Companhia de Teatro. O monólogo encenado pela atriz Daniela Beny retratou muito do seu mundo particular, que foi misturado à trechos de obras de Guimarães Rosa e Lygia Fagundes Teles. É um trabalho de experimentação artística em que a atriz mostrou todo seu potencial dramático além de se mostrar abertapara novas descobertas cênicas.

A ideia da montagem desse espetáculo surgiu quando a atriz voltou da viagem que fez a São Paulo onde integrou o elenco de OS POSSESSOS, sob direção de Antonio Abujamra. A necessidade de ampliar sua potencialidade artística falou mais alto e a fez montar o texto que revela o mundo da atriz como um trabalho autobiográfico, misturando cenas de vários momentos como um flashback. O texto foi revisado e adaptado sob direção de Marco Antonio de Campos, que tentou não interferir no processo de criação da atriz, fazendo pequenas adaptações nas propostas apresentadas..."


Por Jaqueline Pinto (RODAPÉ / jornal publicado durante o ALDEIA SESC 2009 - Terça-feira, 25 de Agosto de 2009 - Ano 2 - nº 05)

terça-feira, 18 de agosto de 2009

E-flyers dos nossos colaboradores

Parece que esse ano temos uma verdadeira avalanche de solos/monólgos.

Monólogo de DANIELA BENY
Espetáculo de nossa colaboradora MARY VAZ
"A performance instantaneo integral, surgiu de uma necessidade de intregar-se em cena, de uma forma íntegra e instantânea com base nas posturas, experiências e estilo de vida, referências, próprias da atriz (performer) Mary Vaz"

quinta-feira, 13 de agosto de 2009

ALDEIA SESC GUERREIROS DE ALAGOAS 2009


Teatro, música, dança, artes plásticas, cinema e literatura terão seu espaço na quarta edição da mostra Aldeia Sesc Guerreiro das Alagoas, que acontece de 21 a 30 de agosto, nas unidades do Sesc em Maceió e em diferentes locais da cidade. O projeto Aldeia já se firmou como uma das mais importantes ações de formação artística e de plateia em Alagoas.

A mostra Aldeia Sesc Guerreiro das Alagoas incentiva a produção cênica local, revelando os talentos profissionais e amadores do estado, além da participação de grupos interestaduais, através de um processo de seleção democrático aberto à participação de todos. Este ano, os grupos teatrais selecionados são Cia. Reka, Cia. Nega Fulô, Cia. Mestres da Graça, Associação Teatral Joana Gajuru, Cia. de Teatro, Cia. Raízes da Terra, Cia. Teatro da Meia-noite e Cia. Cultuarte, Cia. Invisível de Teatro e a atriz Mary Vaz.

Segue abaixo a programação dos espetáculos, para maiores informações sobre
oficinas, workshops e programações paralelas acessem: http://www.sescalagoas.com.br/imprensa/noticias/index.asp?vCod=102&idioma=pt
ESPETÁCULOS
21/08 (Sexta-feira) - Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

O Diário de um louco (Cia. de Teatro Lavoura / PB) - R$4,00 ou R$2,00 + 1kg de
alimento não perecível

22/08 (Sábado) - Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

Solampião (Associação Teatral Nêga Fulô) - R$4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento
não perecível

24/08 (Segunda-Feira) - Praça Dois Leões (Jaraguá) 16H

Vida imunda, cai de bunda (Cia Raízes da Terra) - GRÁTIS

Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

VOO AO SOLO (Invisível Cia de Teatro) - R$4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível

25/08 (Terça-Feira)- Praça Dois Leões (Jaraguá) 16H

Baldroca (Associação Teatral Joana Gajuru)- GRÁTIS

Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 15H

O Avarento (Grupo de teatro do TSI) - GRÁTIS

Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19h30

Terapia de Grupo (Cia. REKA de Teatro) - R$4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível


26/08 (Quarta-Feira) Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 16H

INSTANTÂNEO INTEGRAL (Mary Vaz) - R$ 4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível

Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

Insônia (Cia Teatro da Meia-Noite) - R$ 4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível

27/08 (Quinta-feira) Espaço Cultural (Praça Sinibu) 16H

Enamorados - A demanda do amor (Coletivo Enamorados de Teatro / PE)- R$ 4,00
ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível

Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

Negro de estimação (Kleber Lourenço - PE)- R$ 4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível


28/08 (Sexta-Feira) Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 19H30

Metafaces (Cia Culturarte) - R$ 4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não perecível

29/08 (Sábado) Teatro Jofre Soares (SESC Centro) 20H

Jandira (Kleber Lourenço - PE)- R$ 4,00 ou R$2,00 + 1kg de alimento não
perecível


VIRADA DO DIA 29 PARA DIA 30 OVERDOZE

(Doze horas seguidas de programação dentro do SESC Centro)

domingo, 9 de agosto de 2009

Oficina de Dramaturgia do Cotidiano

Promovida pela FUNARTE SP, aconteceu entre os dias 03 e 08 de Agosto a oficina de DRAMATURGIA DO COTIDIANO ministrada pelo dramaturgo, crítico teatral e professor da Balleteatro Escola Profissional e na Escola Superior Artística do Porto, em Portugal, Jorge Louraço.
Nesta uma semana de trabalho me senti duplamente gratificada, primeiro por ter reencontrado com alguns colegas da montagem de OS POSSESSOS, e porque fiquei em contato direto com uma estruturação metodológica do que normalmente desenvolvo apenas por motivações intuitivas.
Com essas dicas e "regras" propostas por Jorge acredito que exista de forma mais viável a possibilidade de tornar-me multiplicadora, uma vez que a universidade não coloca a criação de textos dramatúrgicos como um dos focos de ensino e capacitação.
Dentro de nosso COLETIVO, estaremos em breve oferecendo uma vivência dramatúrgica voltada para agregar elementos ao treinamento corporal desenvolvido todas as quartas-feiras pela atriz Mary Vaz.
Abaixo segue uma pequena mostra do que desenvolvi durante estes dias de trabalho.

Tá demorando né?!

Tá demorando né!?
Texto de Daniela Beny
(exercício feito para oficina de Dramturgia do Cotidiano - FUNARTE SP)


Duas poltronas de ônibus de viagem, Amanda e Beatriz sentadas lado a lado, é noite, falam baixo quase cochichando

AMANDA: - Tá demorando né!? Não vejo a hora de chegar em casa, detesto mato, inseto, carrapato, nem sei como você me convenceu a acampar no meio do nada, sem água encanada, chuveiro elétrico, você sabe que eu odeio tomar banho de água fria...
BEATRIZ: - Ué, você não estava sempre reclamando que depois que comecei com o Felipe e você com o Pedro, a gente nunca mais viajou juntas...
AMANDA: - Verdade. Mas precisava ser para um lugar desses?
BEATRIZ: - Amiga é pra essas coisas, eu ira com você até o inferno se fosse preciso...
AMANDA: - Mas aquilo ali ERA o inferno!
BEATRIZ: - Eu achei tudo lindo, a cachoeira, as flores, o luar... um luar daqueles a gente não vê na cidade...
AMANDA: - Eu me senti uma pateta brigando pra montar a barraca, tendo que me virar no matinho mesmo... nunca mais outra dessas... nunca mais!
(Amanda e Beatriz dão pulinhos nas poltronas, como se o ônibus estivesse passando numa estrada esburacada)
AMANDA:
- Tá vendo, até a estrada de volta pra cidade é ruim, me sinto no tobogã dentro do ônibus... Quero minha cama, meu banheiro. Não teve nada de bom nessa viagem...
BEATRIZ: - Claro que teve Amanda... ficamos mais... próximas... (ônibus chacoalha de novo, Amanda quase cai sobre Beatriz, ficam com o rosto muito próximo uma da outra, tensão)
AMANDA: - (Amanda e Beatriz se olham - pausa)
Você tem razão... ficamos mais próximas mesmo... (Amanda ri nervosa, Beatriz se afasta um pouco) mas não muito próximas... (Amanda ainda nervosa tentando desconversar) Nossa, tá demorando né?! Que estrada longa...
BEATRIZ: - Pois é... (Beatriz mexe nos cabelos de Amanda, depois segura sua mão) ... tá demorando... (Se aproximando de Amanda)
AMANDA:
- Eu, (meio confusa) eu, eu acho que... que eu... (Beatriz se aproxima mais ainda de Amanda)
BEATRIZ:
- Você acha que... (bem perto de Amanda)
AMANDA:
-... eu acho... eu tenho... eu tô... (Amanda beija Beatriz) ... apaixonada por você... pronto... falei... (Amanda se afasta) Mas isso não faz muito sentido... (Beatriz beija Amanda)
BEATRIZ: - (soltando Amanda)
Que bosta, minha avó fez aniversário ontem e eu nem liguei, nem comprei uma lembrancinha pra ela...
AMANDA: - Relaxa, quando você chegar em casa telefona pra ela.
BEATRIZ: - (manhosa abraçada com Amanda) Nossa, tá demorando mesmo né?!
AMANDA: - (nervosa se soltando de Beatriz) Tenho que desligar o celular.
BEATRIZ: - Por que?
AMANDA: - O Pedro vai ligar...
BEATRIZ: - E daí?
AMANDA: - Não sei você, mas eu não tô muito a vontade com essa situação...
BEATRIZ: - Bobagem a sua... (abraçando Amanda) tá vendo que ele...
(toca um celular, Amanda tira o celular do bolso da calça)
AMANDA: - Eu disse (mostrando pra Beatriz) ... é o Pedro... (Amanda se apressa e desliga o telefone)
BEATRIZ:
- Ué, por que você não atendeu??
(Barulho de ônibus parando, chegam à rodoviária)
AMANDA: - (Chateada, se arrumando pra descer do ônibus)
Se você prefere que eu atenda, já me considero em casa. Essa “viagem” acaba aqui!
BEATRIZ: - (segurando Amanda) Por mim não! (Se beijam)
AMANDA: - (rindo meio sem graça) Tava demorando né!?
FIM

2014 - um ano de muita pesquisa

Então, desde o final de 2014 o tempo tem sido cada vez mais escasso apenas pelo fator MESTRADO, tão raro que, ao vir atualizar o blog me de...